<>

Home » Poesias Sádado, 24 de Fevereiro de 2018







[ A ] [ B ] [ C ] [ D ] [ E ] [ F ] [ G ] [ H ] [ I ] [ J ] [ K ] [ L ] [ M ] [ N ] [ O ] [ P ] [ Q ] [ R ] [ S ] [ T ] [ U ] [ V ] [ W ] [ X ] [ Y ] [ Z ] [ 1 ... 9 ]



por: Agnaldo Santana

Quando penso em ti me desfaleço em desejos
Os mesmos que um dia senti calado
Quando ao longe a contemplava a beiroa do rio
Do velho e doce São Francisco

Via tuas curvas sinuosas e me perdia
Na verdade desejava-te em mim sendo parte de ti
Sentindo teus afagos sutis e cálidos
Como os ardentes lábios contra os meus

...mas o tempo passou e ficastes como a lembrança branda...
uma doce e sutil recordação de nossa juventude
mas estavas nua pura e linda ao sol matutino

O mesmo que invade teu quarto e te beija
Assim como gostaria de fazê-lo e não posso
Pois neste leito percorro toda à noite em sonhos com a certeza da solidão.

Rio, maio de 2002